A Falta de Uma Política de Segurança Humanitária Quebra todos os Paradigmas da Solidariedade

A Falta de Uma Política de Segurança Humanitária Quebra todos os Paradigmas da Solidariedade

So agora que o Navio parte levando 160 toneladas de alimentos para o Haiti

O navio da Marinha brasileira Garcia D’Ávila deixou ontem, às 16h, o Armazém 4 do Porto do Recife com cerca de 160 toneladas de mantimentos doados pelos pernambucanos ao Haiti, que foi devastado por um terremoto no fim do último mês de janeiro. Ontem, enlatados, biscoitos e garrafões de água, que estavam estocados no 7º Depósito de Suprimento do Exército, no bairro do Cabanga, no Recife, seguiram para o Porto do Recife em um comboio de dez caminhões, que tiveram que fazer o trajeto três vezes em função da quantidade de suprimentos.

De acordo com o coronel Edvaldo Marques, comandante do depósito, os alimentos não seguiram antes para o país da América Central por conta da falta de estrutura que o Haiti enfrentou durante o mês passado, dificultando a distribuição das doações. “Essa operação envolve um esforço grande, em termos logísticos, além de grande força de trabalho. Agora, com uma organização mais segura, podemos encaminhar estes mantimentos para auxiliar na reconstrução do país”, avaliou o coronel.

Há alguns dias, a TV Clube, dos Diários Associados, denunciou que a demora na entrega dos mantimentos estava levando à perda de parte dos alimentos doados. De acordo com o coordenador da Defesa Civil de Pernambuco, tenente-coronel Ivan Ramos, a situação foi contornada. “Desse total, 120 toneladas de mantimentos foram levadas a cidades do interior de Pernambuco que sofrem com a estiagem, beneficiando cerca de 80 mil pessoas”, informou o coordenador. Ao todo, seis municípios foram atendidos: Taquaritinga do Norte, Vertentes, Capoeiras, Cumaru, Santa Maria do Cambucá e Bom Conselho.

A presidente do Conselho Regional de Enfermagem de Pernambuco (Coren-PE), Célia Arribas, acredita que os objetivos da campanha foram alcançados.”Essa arrecadação mostrou que a sociedade civil tem capacidade para se organizar e que o povo pernambucano é bastante solidário. Estamos contentes que os donativos tenham seguido para o Haiti e para o interior do estado”, comemorou Célia Arribas. O Coren-PE foi uma das entidades envolvidas na campanha, tendo coordenado a segunda etapa do comitê.

Doações – Desde janeiro, 350 toneladas de água e alimentos já foram arrecadadas para envio ao Haiti. As doações em Pernambuco foram coordenadas por uma comissão formada por representantes da Codecipe, Conselho Regional de Enfermagem (Coren), Cremepe, Governo do Estado, Forças Armadas, além de igrejas católicas.

O navio Garcia D’Ávila tem uma tripulação formada por 150 militares. Antes de chegar ao Recife, ele partiu do Rio de Janeiro, no último dia 28 de fevereiro. A próxima e última parada da embarcação em mares brasileiros será neste domingo, no Porto de Mucuripe, em Fortaleza. A previsão é que as doações dos pernambucanos cheguem ao Haiti, no próximo dia 22 de março.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: