Verde que te quero verde

Verde que te quero verde

Por Roberto Numeriano

A bandeira ambientalista é uma das grifes mais atraentes para aquela parcela do eleitorado que pensa ser possível definir o seu voto num espaço acima de condicionantes político-ideológicas. Trata-se, esta idéia, de uma mistificação em si mesma ideológica, e com implicações políticas perigosas, na medida em que a retórica ambientalista tende a ler o universo dos problemas ambientais como fenômenos redutíveis a uma causa explicativa única. Esta causa seria o ser humano ou a humanidade, situados aqui como irracionais e predadores. Um ser interpretado “fora da história”, naturalizado ele próprio como um “espírito” que destroi a si e ao ambiente.

O efeito dessa mistificação é considerável como potencial desmobilizador e / ou bloqueador de uma crítica política aos graves problemas que afetam a natureza e o homem. Não é por acaso que, salvo raras exceções, os partidos “ecologistas” formulam seus programas sem uma central e fundamental crítica / denúncia ao modelo de produção capitalista, este sim degradante do ser do homem (dado que aliena-o de sua condição humana), e dos elementos da natureza (dado que tudo deve ser transformado em mercadoria).

Transformada, sob a percepção politicamente alienada, numa marca para consumo de gente bem intencionada, cheia de amor pra dar pelo bem da mãe-terra e de seus pobres habitantes irracionais, a causa ambientalista ganha então a simpatia geral dos que, aparentemente acima de quaisquer ideologias, seja o político ou o eleitor, estão prontos a apoiar iniciativas e planos com selos verdes, sustentáveis etc. E então, afinados num coro quase religioso, imbuídos de uma fé deslumbrada na ilusão de salvar a terra sem combater o modo de produção capitalista, parecem todos querer a mesma coisa – do empresário e sua cantilena da sustentabilidade ambiental (em geral, hipócrita) ao político verde e seu discurso cheio de soluções para os efeitos, mas nunca atacando as causas.

Esta atitude angaria simpatias, mas é inócua do ponto de vista prático. As justas e legítimas bandeiras do ambientalismo merecem o apoio de todos, mas e daí? Na prática, alguma vitória pontual pela preservação dos ecossistemas, se não articulada com o desmonte do modelo econômico cuja filosofia é a do lucro a qualquer custo (predando a natureza e o homem), significará nada, pois a cada “selo verde” correspondem dezenas de empresas com seus selos podres. Ou seja, o modo de produção vigente degrada a vida natural e o ser do homem numa progressão geométrica que os verbos e gestos do ambientalismo alienado jamais conseguirão bloquear.

Uma outra dimensão do ambientalismo como grife de consumo é operar simbolicamente a ideologia da participação: plantam-se árvores; o Greenpeace finca sua logomarca nos quatro cantos do mundo; parlamentares “verdes” são eleitos; salvam-se as ararinhas azuis e os micos-leões-dourados etc. Mas e daí? Se tudo se esgota no e pelo ambiente, do que participamos e o que pretendemos, objetivamente?

O curioso é que a própria dimensão política da ação dos ambientalistas é em si mesma uma camisa de força que estes, talvez sem perceberem, alimentam na medida em que a mídia repercute tais ações reativas. E assim o ambientalismo, cada vez mais, torna-se auto-referente, amestrando suas agendas segundo a boa recepção dos formadores de opinião das mídias. O círculo se fecha na forma de um discurso repetitivo e restrito, em cuja essência vê-se operando uma fraude ideológica. Esta fraude provoca graves efeitos: bloqueia a formação de uma consciência crítica que transcenda a retórica reducionista e ao mesmo tempo torna absoluta uma visão instrumental desse homem que, desnaturalizado, precisa de ecossistemas salvos e equilibrados, mas não precisa ser salvo para esses mesmos ecossistemas. O ser do homem do ambientalismo alienado é um ser também natural, quase um espírito hegeliano que sobrepaira a terra, alheio à história, imune às contradições e conflitos da ordem econômica capitalista.

Não admira que os partidos verdes, em quase todos os países onde estão organizados, cada vez mais perfilam com agrupamentos e partidos cujas agendas políticas são ideologicamente conservadoras, embora com discursos modernosos, fazendo juras de amor à mãe-terra. Por oportunismo político, derivada da degeneração ideológica, buscam o voto a qualquer custo, mesmo com grupos que simbolizam a defesa de um sistema econômico predador da vida humana e da natureza. O verde dos verdes é cada vez mais cinza…

PS: Roberto Numeriano é cientista político (UFPE), jornalista, membro do Comitê Central do PCB e pré-candidato a governador de Pernambuco pelo PCB.
roberto.numeriano@gmail.com
twitter.com/rnumeriano
Comments
One Response to “Verde que te quero verde”
  1. O que destoa é a sigla CPRH, parece até piada. Quem mais concede licenças para crimes ambientais no estado aparecer posando de defensor do meio ambiente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: